Um ladrão foi roubar galinhas justamente na casa deRui Barbosa. Com toda aquela eloqüência que lhe era
peculiar, Rui Barbosa falou:

– Não é pelo bico de bípede, nem pelo valor intrínseco
do galináceo, mas por ousares transpor os umbrais de
minha residência. Se for por mera ignorância,
perdôo-te, mas se for para abusar da minha alma
prosopopéia, juro pelos tacões metabólicos dos meus
calçados que dar-te-ei tamanha bordoada que
transformarei sua massa encefálica em cinzas
cadavéricas.

O ladrão, todo sem graça, perguntou:

– Mas como é, “Seu Rui”, eu posso levar o frango ou
não?